terça-feira, 22 de novembro de 2011

Uneal esclarece sobre baixo IGC na avaliação do MEC

Reitor e vice-reitor falam das causas do baixo desempenho da instituição.

Uneal esclarece sobre baixo IGC na avaliação do MEC

A Universidade Estadual de Alagoas-UNEAL, pioneira no ensino superior no interior do Estado, há 41 anos, vem de público se manifestar acerca de mais um resultado negativo relativo ao Índice Geral de Cursos – IGC, formulado pelo Ministério da Educação, no qual obteve conceito 02, esclarecendo os seguintes aspectos:

1- Tal resultado refere-se ao ciclo avaliativo de 2010, não refletindo, portanto, a atual situação da UNEAL, visto que todos os seus cursos foram recentemente avaliados com conceitos acima de 03 pelo CEE - Conselho Estadual de Educação, a quem cabe legitimamente autorizar, avaliar e reconhecer cursos no âmbito das IES estaduais, bem como aplicar sansões, quando necessário (apenas as IES federais e instituições privadas estão diretamente sob a alçada do MEC nos aspectos acima citados.);

2- Salientamos que o quadro acima explicitado indica a real possibilidade de ascensão do conceito geral da UNEAL na próxima formulação do IGC, que só não será maior em função das enormes demandas infra-estruturais que enfrenta, fruto da ausência de investimentos estatais, ao longo de décadas, na manutenção e adequação de suas instalações físicas, construção e montagem de laboratórios e, principalmente, na atualização de seu acervo bibliográfico (aspectos apontados por todos os avaliadores e elencados como condicionantes da homologação dos ótimos resultados obtidos, caso não sejam sanados no prazo de 01 ano.);

3- Cabe ainda ressaltar que, conquanto a Uneal não disponha dos recursos necessários à manutenção adequada de seus 05 campi, espalhados por todas as regiões do Estado e atendendo a uma clientela de 6 mil estudantes, além de mais de dois em seus programas especiais de graduação, a atual gestão não tem medido esforços para incentivar e viabilizar a capacitação dos profissionais docentes que atuam na instituição através da imediata liberação para qualificação em nível de mestrado e doutorado, além do estabelecimento de convênios com outras IES, a exemplo da UFAL, para a realização de mestrados e doutorados em caráter de cooperação (MINTER e DINTER), de forma que 60 % de seu corpo docente já apresentam formação em pós graduação strictu sensu ;

4- Nessa mesma direção, lançando mão de seus parcos recursos de custeio, a atual gestão tem priorizado o financiamento da participação dos professores, técnicos e alunos em eventos técnicos e científico-acadêmicos dentro e fora do país, possibilitando o intercâmbio e a divulgação dos trabalhos científicos produzidos por sua comunidade;

5- Da mesma forma, a atual gestão tem investido na publicação de editais perfazendo, apenas nesse primeiro ano de mandato, mais de um milhão de reais disponibilizados para atividades de pesquisa, extensão e publicação, através de editais internos financiados com recursos próprios, dinamizando o ambiente acadêmico pelo aumento significativo de projetos e publicações de cunho científico;

Tais avanços internos foram analisados e considerados acertadamente, de maio a agosto deste ano, pelos avaliadores cadastrados junto ao INEP e escalados pela Secretaria de Estado da Educação e pelo Conselho Estadual de Educação para avaliarem os cursos da UNEAL. Essas circunstâncias apontam para o novo momento vivido pela comunidade acadêmica, refletindo-se no aumento de sua auto-estima e na reafirmação de gestores, servidores e discentes quanto ao compromisso com a consolidação dessa universidade que, pelos relevantes serviços prestados, é um patrimônio de todo o povo alagoano.

Certamente essa é uma missão de toda sociedade, todavia esperamos que os poderes instituídos, sobretudo ao nível do poder executivo, olhem com maior sensibilidade para as demandas urgentes da UNEAL (concurso público para docentes, reforma e construção de instalações físicas, além de acervo bibliográfico) e que pouco requerem em termos de investimentos financeiros, considerados os gigantescos resultados sociais que proporcionam ao sofrido povo alagoano.

Arapiraca, Alagoas, 21 de novembro de 2011.



Prof. Jairo José Campos da Costa
Reitor

Prof. Clébio Correia de Araújo
Vice Reitor

Nenhum comentário:

Postar um comentário